AÇÕES DE MARKETING

Em solenidade simbólica e restrita por conta da pandemia, UniFAI inaugura o novo Bloco V no Câmpus II

Obra contou com investimento total de aproximadamente R$ 8,5 milhões; local abriga salas de aula e laboratórios especializados para os cursos das áreas Biológicas e de Saúde

por Daniel Torres de Albuquerque - Colaborou: Priscila Caldeira




imageimageimageimageimageimageimageimageimageimageimage

Em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a solenidade foi apenas simbólica e restrita ao reitor Prof. Dr. Paulo Sergio da Silva (à direita) e ao engenheiro e coordenador do curso de Engenharia Civil Prof. Me. Renam Serraglio Quaglio
Foto de Claudinei Pelae Jorge

A Reitoria do Centro Universitário de Adamantina (UniFAI) inaugurou no dia 1º de junho a construção do Bloco V, no Câmpus II da Instituição. Em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a solenidade foi apenas simbólica e restrita.

“O Bloco V é uma estrutura fundamental para o desenvolvimento e dinamização da qualidade de ensino de ponta para os cursos da área da saúde do Centro Universitário de Adamantina. Essa obra foi uma continuidade do projeto concebido na administração do Prof. Dr. Márcio Cardim quando da criação do curso de Medicina na Instituição”, afirmou o reitor Prof. Dr. Paulo Sergio da Silva.

Com investimento total de aproximadamente R$ 8,5 milhões, as obras de construção do novo bloco tiveram início em janeiro de 2018. O local abriga salas de aula e laboratórios especializados para os cursos das áreas Biológicas e de Saúde, como o de Anatomia e Simulação Realística. “O Bloco V beneficiará diversos cursos da área da saúde trazendo interdisciplinaridade nas etapas do atendimento, visando projeção no estudo da qualidade da saúde pública. Além disso, visa-se a articulação entre a UniFAI e os serviços de saúde”, pontuou o reitor.

Os alunos do curso de Engenharia Civil da Instituição, orientados pelos docentes e engenheiros Prof. Dr. Bruno do Vale Silva, Prof. Me. Renam Serraglio Quaglio, Prof. Me. Guilherme Fregonezi, e arquiteta Prof.ª Ma. Tânia Tadini Esteves, foram responsáveis pela elaboração dos projetos, bem como realizaram o acompanhamento da obra (fiscalização). O projeto elétrico foi desenvolvido pelo engenheiro elétrico Marcelo Valente.

“A construção do Bloco V apresenta um novo marco na ampliação da UniFAI. Além disso, a obra foi de grande valia para o curso de Engenharia Civil, visto que os alunos aplicaram na prática os conhecimentos teóricos adquiridos”, definiu o Prof. Renam Quaglio.

O projeto

“Primeiramente fizemos o [projeto] arquitetônico para dimensionar a área adequada para cada ambiente. Depois, partimos para o elétrico das salas de aula, dos laboratórios, secretarias, para saber os equipamentos necessários nestes locais. Fizemos também o projeto de [prevenção a] incêndio, considerando saída de emergência, iluminação, fluxo, hidrantes e extintores, fizemos o estudo de solo para sabermos como é o terreno em que iremos trabalhar, além do projeto arquitetônico em 3D para termos a noção real daquilo que será construído”, detalhou a ex-aluna Rafaela Ginez.

Segundo os alunos, o diferencial são os novos materiais disponíveis no mercado. “Na fachada foi utilizado um vidro que retém 80% dos raios ultravioletas, o que possibilitará um maior conforto climático, melhor ventilação e iluminação, além de ser um acabamento estético muito bonito. Quem estiver na rodovia terá a visão de um paredão de dez metros de altura coberto de vidro totalmente espelhado. Na área interna, inserimos muitos itens atuais no ramo da tecnologia como sensores nas torneiras e vasos, com custo acessível”, comentou o ex-aluno Vinícius Ribeiro.

“Além de ser uma construção desse porte, com toda essa complexidade, trata-se de um bloco para os cursos da área de Saúde. Para todos os laboratórios buscamos o que existe de melhor em técnica em todo o Brasil. Utilizamos o arcabouço que foi levantado pelo pessoal da UniFAI em visitas técnicas a Belo Horizonte [MG] e vários outros locais para juntar todo esse conhecimento e fazer o melhor prédio possível, dentro da nossa realidade”, relatou o professor do curso de Engenharia Civil.

Voltar ao TOPO